Escapada para Bass Strait

Escapada para Bass Strait

Troque o estresse da terra firme pelo ar puro, praias desertas, históricos navios naufragados e vida selvagem rica nas ilhas Flinders e King da Tasmânia.
Precisa fugir da correria do dia a dia? Se a Tasmânia já possui um ritmo mais lento do que o continente; nas ilhas de Bass Strait, você pode desacelerar ainda mais.

Geologicamente, a Flinders Island não mudou muito desde a última Era Glacial, quando a ilha ainda fazia parte de um estreito de terra que ligava a Tasmânia ao continente da Austrália. Somente em 1773, 12.000 anos depois, Tobias foi o primeiro a avistar Flinders e as 51 ilhas que a cercam. Ele tinha se separado do Endeavour em um nevoeiro intenso, mas acabou parando em um lugar ainda melhor.

Hoje é possível ter uma visão bem mais clara dessa ilha, que tem apenas 64 quilômetros de extensão e 29 km de largura. Observe os penhascos de granito rosa e cinza do Mount Strzelecki e do Mount Killiecrankie, e pequenos riachos, dunas de areias litorâneas e terras agrícolas suaves. Voe de Launceston ou pegue uma balsa de Bridport. Se estiver chegando de Victoria, você pode voar de Moorabbin ou pegar um barco de Port Welshpool.

Apenas 900 pessoas moram em Flinders Island e, na maior parte do tempo, você pode fingir que eles nem estão lá. É provável que você dê de cara com residentes com pêlos e penas: pequenos cangurus e wombats; o pequeno cambaxirra e o gigantesco albatroz-errante. Caminhe por lagoas e braços de mar do leste, onde milhares de pássaros migratórios quebram seus longos voos até o Círculo Ártico. No mar, você pode mergulhar com caranguejos gigantes e observar focas, golfinhos e baleias.

Bass e Flinders exploraram a Flinders Island de barco e a pé em 1798 e 1799, e até hoje a melhor forma de se locomover pela ilha ainda é essa. Suba até o topo do Mount Strzelecki no Strzelecki National Park. Caminhe por praias virgens e longas com gigantescas rochas cobertas de musgo laranja e garimpe o topázio conhecido como ‘diamante’ de Killiecrankie. Exploradores de verdade sempre partem com um tesouro.

Hospede-se nas pequenas cidades de Whitemark e Lady Barron ou nos assentamentos de Emita e Killiecrankie. Hospede-se em cabanas na beira da praia, simpáticos pubs, pousadas, ou seja paparicado em um spa local. Depois de rações e galés chacoalhantes, o Capitão Cook e sua tripulação teriam apreciado uma boa refeição orgânica e uma massagem relaxante.

Para relaxamento à moda antiga, você vai adorar a King Island. Ela fica 80 km ao noroeste da Tasmânia, no caminho dos violentos ventos do oeste chamados de Roaring Forties. Você elimina o estresse a cada respirada do ar fresco e revigorante.

Descoberta em 1797, a ilha já foi famosa por suas focas que foram caçadas e chegaram quase à extinção. O grande volume de chuva, pastos exuberantes e depósitos de metal também atraíram fazendeiros, mineradores e outros colonizadores esperançosos. Hoje são suas praias desertas, recifes em alto-mar, faróis, navios naufragados, frutos do mar e laticínios que atraem os turistas para essa comunidade de 1.000 orgulhosos habitantes.

Mergulhe na história marítima da ilha com mais de 70 pontos de naufrágio. Faça excursões de pescaria recreativa e assista os pescadores de cray e os mergulhadores de pesca de abalones arrastarem suas capturas para a terra firme. Visite as famosas fábricas de laticínios de King Island, onde você pode provar o famoso creme espesso e o brie delicado fabricados na região enquanto aprende sobre a fabricação artesanal de queijos e sua história.

Visite a Lavinia Nature Reserve e observe pequenos cangurus, ornitorrincos esquivos, e inúmeros pássaros desde os raros papagaios de barriga laranja até as majestosas águias-pescadoras. Você ficará mais empolgado de que um botânico do século XVIII com a natureza abundante. Depois disso, siga para Currie, o centro comercial no porto da ilha. Assista aos barcos de pesca atracarem enquanto saboreia um suculento lagostim que acabou de ser pescado. A vida em uma ilha praticamente deserta nunca foi tão relaxante.

Mais ideias australianas